ESTARIA OCORRENDO UMA QUEDA DE BRAÇO ENTRE O GOVERNO DE SÃO PAULO E A ALTA CÚPULA DAS POLÍCIAS

26/09/2013 12:17

Mostramos o quanto está aquecido o tema "salário das policias", vejam as matérias postadas em sites de todo o país, que fala sobre a diferença salarial entre a PM e PC de São Paulo, prestem atenção nas entrelinhas, é algo que não está exatamente dito no texto, é algo que o texto diz sem realmente mostrar, assim poderão entender a mais uma queda de braço entre o governo estadual e a alta cúpula das polícias, quem vencerá? 

 

 

CORONÉIS ORDENAM "FEIJÃO COM ARROZ" NO POLICIMENTO

 

Bruno Paes Manso e Marcelo Godoy - O Estado de São Paulo
A ideia é fazer "feijão com arroz" durante o cotidiano policial, disseram coronéis que participaram nessa quarta-feira, 25, da reunião no Comando-Geral. O descontentamento contra a decisão do governo de anunciar medidas que beneficiam a Polícia Civil causou enorme estrago nos ânimos da corporação. A presença do comandante-geral, Benedito Roberto Meira, no evento em que ocorreu o anúncio provocou críticas pesadas dos oficiais. Meira havia marcado a reunião para as 14h de ontem. Remarcou e apareceu às 16h.
A presença dele ao lado de Geraldo Alckmin (PSDB) foi vista como apego ao cargo. O contraponto citado foi o do coronel Claudionor Lisboa, que foi comandante-geral no governo Mário Covas. No período em que a PM era criticada pelo então secretário José Afonso da Silva, Lisboa rebatia abertamente o secretário.
Entre as frases mencionadas pelos coronéis, eles disseram que dois PMs morreram em serviço nos últimos dez dias. A ironia, segundo eles, é que o prêmio acabou sendo o aumento da Polícia Civil. Alguns explicaram que o estrago já havia sido feito e que não era necessário decretar a "greve branca". A corporação, quando desanimada, diminui naturalmente o ritmo.

Fonte: https://www.estadao.com.br/noticias/impresso,coroneis-ordenam-feijao-com-arroz-no-policiamento,1078907,0.htm


 

COM FIM DA PARIDADE SALARIAL, EFICIÊNCIA DA PM É UMA INCÓGNITA

 

CENÁRIO: Bruno Paes Manso - O Estado de S.Paulo
Quando a situação aperta, o governo do Estado costuma mencionar a produtividade policial para justificar o empenho no combate ao crime. De janeiro a agosto foram mais de 114 mil prisões, quase a totalidade ocorrências em flagrante feitas pelos policiais militares. O patrulhamento ostensivo nos locais com índices mais altos de crime têm sido a principal estratégia na redução da criminalidade, trabalho desempenhado pela PM.
A principal incógnita para os próximos meses é a reação dos PMs a dois projetos de lei enviados pelo governo à Assembleia para aumentar os salários dos delegados, escrivães e investigadores. A medida é vista entre os PMs como quebra da paridade salarial com os policiais civis, mas o governo defende que se trata de respeito à diferença das carreiras.
A indignação entre os oficiais é aberta e ontem os coronéis se reuniram com o comando para discutir a medida. Houve reclamação, e alguns defenderam greve branca, com a redução no empenho do combate ao crime. Foi o que aconteceu em 1997, quando o governador Mário Covas (PSDB) propôs uma emenda constitucional para acabar com a PM. Os policiais fizeram o chamado "olho de vidro" e as taxas aumentaram. Fonte:https://www.estadao.com.br/noticias/impresso,coroneis-ordenam-feijao-com-arroz-no-policiamento,1078907,0.htm

 

 

OFICIAIS DA PM CRITICAM REAJUSTE A DELEGADOS

 

Medida, antecipada pelo ‘Estado’, foi anunciada oficialmente nesta quarta-feira por Alckmin; em reunião, militares rechaçaram propostas do governo estadual

Bruno Paes Manso e Marcelo Godoy
O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta quarta-feira, 25, que vai apresentar dois projetos de lei na Assembleia Legislativa estabelecendo reajustes salariais para delegados, escrivães e investigadores. A medida foi antecipada pelo Estado, que revelou também a crise que a medida provocou entre os oficiais da Polícia Militar. O descontentamento se intensificou depois do anúncio.

O reajuste, segundo o governador, foi para atender à legislação que definiu a carreira de delegado como jurídica, equiparando aos vencimentos do Ministério Público. Na prática, os delegados passam a receber aumento salarial de 10,5% neste ano e de 15% no ano que vem. Assim, o delegado de 3.ª classe, que recebia inicialmente R$ 7.547, passa a receber no ano que vem R$ 10.073.
Os investigadores e escrivães também vão receber aumento. Essa mudança, segundo o governo do Estado, é exigida pela lei que estabeleceu o nível universitário dessas carreiras. Os escrivães e investigadores passam, portando, a receber ajustes de 8,5% a 18,5% neste ano e de 15% a 25,7% no ano que vem.
Alckmin disse não acreditar que o descontentamento da PM por causa do aumento aos civis possam afetar a produtividade no dia a dia. Ele nega que tenha havido quebra na paridade entre as duas carreiras. "Questões específicas, não gerais, têm de ser analisadas separadamente. Isso é normal. Não houve fim da paridade."
O governador deu o exemplo do aumento salarial de 7% anunciado para as duas polícias na semana passada como mostra da política de paridade. Alckmin lembrou que a carreira da PM também tem benefícios que não existem entre os delegados. Ele citou como exemplo o benefício do "posto imediato", que garante promoção ao oficial que se aposenta para receber maiores vencimentos. "Tenente se aposenta como capitão, capitão como major, Major como tenente-coronel, que se aposenta como coronel. Como coronel não pode ser promovido, ganha aumento de 20%."
Quinze dias. Apesar de afirmar que não acredita na reação dos militares diante da concessão de benefícios aos policiais civis, durante o anúncio, o governo afirmou que em 15 dias pretende apresentar benefícios para a carreira dos PMs.
Nesta quarta houve uma reunião no Comando-Geral, com a presença do conselho dos coronéis. Algumas propostas foram discutidas pelo governo estadual. Todas acabaram sendo rechaçadas pelos presentes.
Uma delas propunha equipara a carreira dos oficiais ao dos delegados. Capitães seriam equiparados a delegados de 3.ª classe. Major, ao de 2.ª classe, tenente-coronel ao de 1.ª e classe especial a coronel. Tenente, portanto, ficaria sem ajustes. O posto de sargento seria equiparados a escrivães e investigadores. Soldados e cabos também não receberiam ajustes. Segundo um dos presentes, todos concordaram que ou aumenta de todos, ou de ninguém.
Ainda foi proposto ressuscitar a pensão para filhas solteiras de oficiais, transformar licença-prêmio em dinheiro e fazer promoções em massa na carreira militar. As propostas foram duramente criticadas após a reunião.
Fonte: https://www.estadao.com.br/noticias/cidades,oficiais-da-pm-criticam-reajuste-a-delegados,1078799,0.htm

 

SECRETÁRIO NEGA INSATISFAÇÃO DE CORONÉIS DA PM APÓS NOVO PLANO SALARIAL PARA DELEGADOS

 

O secretário de segurança pública, Fernando Grella Vieira, negou insatisfação de coronéis da Polícia Militar após o governador Geraldo Alckmin anunciar, nesta quarta-feira (25), a criação de gratificação para a carreira de delegado de polícia, reconhecida no ano passado pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo como carreira jurídica.
De acordo com informações da SSP (Secretaria de Segurança Pública), a gratificação será concedida em duas etapas e elevará o salário inicial dos delegados para R$ 10.073,96. A medida, segundo a secretaria, “irá beneficiar 3.246 delegados da ativa, e o investimento será de R$ 127 milhões ao ano a partir de 2015”.
Grella diz não acreditar que a decisão provoque uma “greve branca” por parte da PM. Ele enfatizou que se trata de uma “ instituição secular comprometida com a causa social, com o cumprimento do seu dever”.  Falou também que a corporação tem “uma enorme folha de serviços prestados para a sociedade. Desenvolve um trabalho maravilhoso. É composta por oficiais e membros muito bem preparados e integrados”.
— Eu não acredito nesta situação. Acredito que a Polícia Militar cumpra seu papel, seu compromisso, que é de atender bem a população. Não existe esse quadro, até porque são medidas que foram tomadas em função de decisões políticas já adotadas no passado. Duas medidas legislativas que agora foram implementadas. E outras tantas poderão ser adotadas em favor, até mesmo, da própria Polícia Militar nos próximos dias.
Conforme informações da SSP, o governo anunciou que um grupo de trabalho na Casa Civil vai analisar as reivindicações da PM e, em até 15 dias, divulgará ajustes importantes no plano de carreira dos policiais.
Fonte: https://noticias.r7.com/sao-paulo/secretario-nega-insatisfacao-de-coroneis-da-pm-apos-novo-plano-salarial-para-delegados-26092013


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!